Ajustando a narrativa

Não haverá aumento de impostos

A receita fiscal vai crescer 2,6%

Este não é o maior aumento de impostos de sempre (Ufa!)

 

(Já agora, face a 2015, segundo as contas provisórias da UTAO a receita fiscal sobe 2,9% em valor absoluto e baixa 0.2% em proporção do PIB [o que naturalmente implica que se o PIB não crescer o previsto mas a receita não baixar nas mesma proporção, o que também não é líquido, a receita também cresça no seu peso no PIB]. A receita total do estado sobe nas duas métricas. A UTAO nota que não recebeu nenhuma informação do Ministério das Finanças nomeadamente sobre a quantificação do impacte de cada medida no Orçamento na receita e na despesa. Talvez na versão final isso aconteça e permita concluir mais em definitivo os risco associados à evolução da receita fiscal.)

This entry was posted in BE, Portugal, PS and tagged , . Bookmark the permalink.